Fork me on GitHub

Keep Learning Conhecimento nunca é o bastante

Postado em
9 February 2009 @ 23:11

Tag(s)
Agile, Desenvolvimento, Extreme Programming, Opinião

Agile não é para todos

Agile não é para todos. Waterfall também não. Nem RUP, nem qualquer método, técnica ou filosofia.

Assim como nem todos são bons jogadores de futebol ou bons em matemática, nem todos serão bons ou se adaptarão ao desenvolvimento ágil de software.

Note o destaque em negrito na frase acima, pois estou aqui falando de práticas ágeis para o desenvolvimento de software, uma coisa que o Scrum não é (o Scrum é apenas um framework gerencial “ágil”, podendo ser aplicado à projetos de software ou de outros mercados). Extreme Programming já vai além, sendo, essa sim, uma metodologia de desenvolvimento ágil de software (que, por usa vez, usa muitos conceitos gerenciais do Scrum no que diz respeito à comunicação intra e extra-equipe).

Cada metodologia possui um conjunto de princípios básicos, algumas possuem práticas e, outras, formatos bem específicos de documentos a serem seguidos fielmente. Algumas possuem tudo isso junto.

De acordo com o perfil psicológico, social e profissional, é comum que pessoas envolvidas em desenvolvimento de software (gerentes, desenvolvedores, designers, testadores etc) possuam suas preferências quanto à metodologias e práticas. Alguns se dão muito bem apenas com waterfall, outros apenas com agile, uns poucos com ambas e muitas outras. E isso é extremamente normal. As metodologias ágeis são vistas como a salvação do mundo do desenvolvimento de software, principalmente num mercado dinâmico como a internet. Mas, não se engane, nem todos os profissionais conseguem trabalhar num ambiente realmente ágil. Eles são piores do que os que conseguem? Não. São apenas pessoas diferentes.

Ambientes “ágeis” exigem um conjunto de habilidades bem diferentes em relação a outros tipos de ambientes. Geralmente, exigem também muito sacrifício pessoal em detrimento do próprio ego, sendo essa uma das principais barreiras para que se consiga implementar uma cultura de desenvolvimento ágil de software.

Alguns profissionais (desenvolvedores e outros) não estão acostumados e não querem praticar coisas como feedback rápido, desenvolvimento orientado por testes, daily meetings e as outras práticas que as acompanham. Desenvolvimento ágil de software não é apenas escrever centenas de post-its e colá-los num quadro branco ou numa parede. É estar disposto a mudar muitos hábitos e fazer alguns sacrifícios, aceitar algumas “imposições” das metodologias, trabalhar em equipe e para a equipe.

Se a pessoa não se encaixa nesse tipo de mentalidade, tudo bem. Não significa nada em termos de qualidade profissional, mas uma empresa que deseja trabalhar com métodos ágeis definitivamente não é o lugar certo para ela, já que ambos os lados sairão perdendo.


3 Comentários

Comentário por
Tino Gomes
10 February 2009 @ 12:59

100% apoiado!


Comentário por
Emerson Macedo
16 February 2009 @ 18:10

Ola Lucas,

Concordo com tudo o que voce disse. Inclusive eu ia escrever sobre isso, mas como voce ja escreveu, nao faz muito sentido falar sobre a mesma coisa. A unica coisa que tenho a acrescentar e que eu nao imagino muito futuro na area de desenvolvimento de software para profissionais que nao buscam sempre uma forma de melhorar aquilo que faz. O movimento Agile foi exatamente isso: uma mudanca. Surgirao novas por ai e devemos estar aberto a elas.

PS: Perdao pelos acentos, estou com teclado desconfigurado.


Comentário por
Tailor R. Fontela
7 March 2009 @ 0:10

Eu vejo também que escolher as pessoas que se adaptam a esse ambiente seja um dos grandes desafios a serem superados pelas empresas que desejam ser realmente ágeis hoje em dia, afinal de contas quem fará o ambiente ser ágil ou não no final das contas serão as pessoas e não uma série de regras impostas que devem ser seguidas, mesmo as empresas sendo ágeis boa parte delas continuam seguindo o caminho habitual de seleção (currículo => testes técnicos => entrevista => serve ou não serve pro cargo), até agora a técnica que ouvi falar e que fez mais sentido para mim foi a de contratar a pessoa durante 1 semana, ta afim de trabalhar na empresa? Então se junta com a equipe durante 1 semana e já sai atuando com ela, no final dessa semana tanto equipe quanto a própria pessoa saberá se serve ou não para fazer parte do ambiente. É claro que fora essa alternativa acredito que existam muitas outras, mas vejo a seleção das pessoas um aspecto crucial a ser repensado por boa parte dessas empresas ágeis.

Excelente post Lucas, um abraço!


Deixe um comentário